VARIEDADES YOUTUBE

Loading...

sábado, 20 de abril de 2013

Salário, dependência e assistencialismo

Foto: Edu Góis
Vi, por aí, um post zombando de certas políticas assistenciais governamentais, destinadas a premiar a irresponsabilidade enquanto que, para quem "resolve estudar e andar na linha", o prêmio reservado seria um salário mínimo que é uma miséria. 
Apesar dos equívocos e das limitações da crítica, ela me fez pensar, mais uma vez sobre o que precisa, efetivamente mudar em nosso país e no mundo capitalista.
Vida de trabalhador é sofrida, o sabemos. O salário mínimo -  destinado a fins previdenciários - já foi bem pior em décadas recentes, mas continua baixo, é fato. Precisa melhorar, indiscutivelmente. Porém, a imensa maioria dos/das trabalhadores/as não trabalha para o governo; trabalha e produz altíssimos lucros para empresários e acionistas da iniciativa privada, proprietários das gordas "corporações" capitalistas dos vários setores. Por que, então, o governo teria que pagar os seus salários ou assumir, sozinho, a culpa pelos salários de fome que tais senhores pagam? Por que a artilharia é voltada contra o governo, e não contra a classe proprietária, saqueadora das riquezas produzidas e produtora da miséria econômica e social?
Post circulando nas redes sociais
Vambora cobrar do governo o que lhe é devido. Mas, vambora se organizar, lutar com força e cobrar dos nossos milionários patrões o pagamento de salários dignos, a devolução do suor expropriado e a distribuição das riquezas e fortunas que produzimos! 
Sem isso, não há governo que dê conta de remediar as desgraças que a elite capitalista privada cria e espalha Brasil a fora. Além de tomar da elite capitalista o comando do Estado - o que ainda não ocorreu - é hora de estancar a super-exploração e conquistar mais dignidade à classe trabalhadora frente a seus exploradores. São duas frentes que precisam avançar juntas. Do contrário a classe trabalhadora não se libertará dos desmandos da elite capitalista privada e da dependência das políticas assistencialistas do Estado privatizado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário